Devemos nos preocupar se a Pornografia sequestrou nossa sexualidade?

A Autora Gail Dines diz que a pornografia brutal de hoje não é nada parecido com o que era a 15 anos atrás – e está prejudicando nossa capacidade de ter relações íntimas.

Um novo livro da socióloga  Gail Dines  afirma que o consumo excessivo de pornografia pela sociedade e os ridículos extremos de pornografia comum de hoje têm prejudicado muito a nossa capacidade de ter parcerias sexuais significativas. Em Pornolândia: Como a Pornografia seqüestrou nossa sexualidade,  Dines  traça a história da indústria pornográfica da Playboy e da Penthouse,  até a pornografia brutal de hoje que se assemelha a nada menos do que o abuso sexual das mulheres filmado.
Como exemplo, Dines cita o texto introdutório em um típico site de pornografia na Web:

“Você sabe o que dizemos para coisas como romance e as preliminares? Nós dizemos que se foda! Este não é um outro local com garotinhos meio eretos tentando impressionar umas putas. Pegamos lindas cadelas jovens e fazemos o que todo homem realmente gostaria de fazer. Fazemos elas sufocarem até sua maquiagem começar a escorrer, e então elas ficam com todos os outros furos outros doloridos – vaginal, anal, duplas penetrações, qualquer coisa brutal envolvendo um pinto e um orifício. E, então, lhes damos um banho pegajoso.”

Este não é o fim extremo de um complexo continuum da pornografia – é típico da pornografia comum de hoje, disponíveis online de graça, muitas vezes para meninos de apenas 11 anos.  Dines não somente vai a grandes distâncias para investigar as profundezas do padrão da pornografia, mas ela também detalha como a indústria da pornografia é consumida com lucros, e o efeito que tem sobre seus espectadores do sexo masculino. Diz Dines, “Os produtores de pornografia fizeram um tipo de roubo em nossa cultura, seqüestrando nossa sexualidade, em seguida, vendendo-a de volta para nós, muitas vezes em formas que parecem pouco com o sexo, mas muito com a crueldade.”

Gail Dines é uma professora de sociologia e estudos sobre as mulheres na Wheelock College de Boston, onde ela pesquisa a hipersexualização da Cultura. Eu a entrevistei recentemente sobre seu livro.
Sonali Kolhatkar: Eu tenho que dizer que foi muito difícil de ler seu livro, e eu tive que pular partes onde você descreve a pornografia comum. Esta não é a revista Playboy ou Penthouse ou vídeos que seus pais viam. O que estamos vendo hoje no pornô e pornografia comum, é totalmente bizarro. Quero dizer, como você lida com isso na sua pesquisa?

Gail Dines: Bem, o que é interessante é que, eu, como os espectadores, comecei a ficar insensível ao longo do tempo. Quer dizer, obviamente, eu não poderia ter a reação física que eu tinha no início. Mas eu coloquei as descrições, porque muitas vezes as pessoas me dizem, você sabe, porque você está tão perturbada por ver imagens de mulheres nuas? E o que eu quero que as pessoas entendam é que a pornografia de hoje em dia não se parece mais nada com a de 10, 15 anos atrás – que agora é brutal e cruel, e é absolutamente baseada na degradação das mulheres. Então é por isso que eu mostro às pessoas toda a indústria pornô. Além disso, feministas anti-pornografia são frequentemente acusadas de pegar o pior da pornografia. O que eu queria fazer era ir para a pornografia comum que um garoto normal de 11 anos, iria receber uma vez que ele coloca “pornografia” no Google.

SK: Você pode rastrear a história da indústria da pornografia, tanto em termos de quem a acessou, e de seu conteúdo?

GD: Sempre houve pornografia em torno de nossa cultura, mas eu coloquei como se a indústria da pornografia começasse em 1953, a partir daí. Por quê? Porque foi a primeira edição da Playboy, e esta foi a primeira vez que a pornografia se tornou realmente industrializada, tornou-se realmente  um produto. Agora, Hefner era muito inteligente. Começou em 53, pós-Segunda Guerra Mundial, na América. E o que este país precisava fazer era começar a economia num pulo. Agora, as mulheres eram ensinadas a comprar através da televisão. Não havia lugar para ensinar aos homens. E lembre-se que nos anos 50 você teve que ensinar as pessoas a ser consumidores. Eu sei que soa estranho hoje, mas naquela época…
E assim, a fim de ensinar as pessoas a serem consumidores, é necessário mostrar-lhes o que era comprar produtos que não precisavam. Aqui que a Playboy, foi tão bem sucedida. Os anúncios da Playboy eram sobre dizer aos homens que se você consumir a este nível, então você vai ganhar o verdadeiro prêmio, que é a mulher da revista, ou as mulheres que se parecem com mulheres na revista. Então o que ele fez, ele não apenas tornou a sexualidade uma mercadoria, ele sexualizou as mercadorias, isso foi brilhante.

Também em 1969 no New York Times havia um anúncio para a Penthouse, e era a Penthouse tentando desbancar a Playboy da sua posição de número um. E entre 1969 e 1973, você tinha uma guerra entre Playboy e Penthouse, para ver quem poderia ser mais explícito. Agora, de certa forma, Playboy perdeu a batalha mas ganhou a guerra. A razão é a Playboy não foi tão explícita como a Penthouse. Penthouse foi tão explícita que muitos dos anunciantes correram e ficaram nervosos em colocar suas imagens, seus produtos lá.

Agora, durante a batalha entre ’69 e ’73, eles abriram o espaço para o que era pornografia aceitável. Não é por acaso que em 1973 viu-se a primeira edição da Hustler. Esta absolutamente forçou os limites do que poderia ser comum, a pornografia hard-core. Assim você teve Playboy mostrando a soft-core, e você tinha a Hustler mostrando a hard-core. Aqueles eram – e eu não posso acreditar que eu digo isso – os bons velhos tempos. Hoje, quero dizer, Hustler é leve comparado com o que você vê na pornografia comum.

SK: Por causa da Internet.


GD: Totalmente. A internet mudou a indústria. Tornou-a acessível, e barata. Então lembre-se, quando a média de idade de ver pornografia pela primeira vez é 11, quando o menino de 11 anos põe “pornografia” no Google, ele não está olhando para a Playboy de seu pai, ele está olhando para um mundo de crueldade, e um mundo de brutalidade . Então o que eu pergunto no livro é: “Quais são as consequências a longo prazo de criar os meninos com imagens violentas quando você pensa na pornografia como sendo a principal forma de educação sexual em nossa sociedade?

SK: E eu quero chegar a essa pergunta, mas vamos falar sobre os efeitos sobre as mulheres. Porque, como a indústria mudou, as mulheres participantes dessa indústria deixaram de ser fotografadas nuas para agora ser literalmente brutalizadas – fisicamente brutalizadas. Pelo que a participante feminina normal na indústria da pornografia tem de passar, em termos de sua degradação física e sua saúde física?

GD: Se você assistir pornografia você percebe  imediatamente. O que você vê é uma mulher sendo penetrada brutalmente na  vagina, anus e oralmente. Como o que está acontecendo – três homens de uma só vez, quatro homens de uma só vez – ela está sendo chamada vil, nomes de ódio, ela está sendo estapeada, às vezes, seu cabelo é puxado … A própria indústria diz que muitas mulheres têm dificuldade em estar na indústria por mais de três meses. Por quê? Devido à brutalização do corpo.

SK: Três meses?

DG: É o que diz o artigo no Adult Video News.  Além disso, eu entrevistei alguém que trabalhou com o AIM, a organização que cuida da saúde dos artistas pornô, e ele me disse o que acontece com os corpos destas mulheres. Por exemplo, ele disse que uma das grandes coisas são prolapsos anais, onde literalmente seus ânus caem de seu corpo e tem que ser costurados de volta por causa do sexo anal brutal. Ele também falou sobre a gonorréia do olho, comum atualmente – porque você tem algo chamado [do cu para a boca_ ass to mouth] – eles colocam o pênis no ânus, e depois em sua boca sem lavar. Eles estão descobrindo agora que as mulheres estão pegando infecções bacterianas fecais na boca e garganta.

Então, você tem uma série de questões que as mulheres têm de lidar na indústria pornô, e o que é interessante é que ninguém parece estar interessado nestas mulheres. Ao invés disso temos um documentário ridículo dizendo que as mulheres gostam disso, é o que elas escolhem. Absolutamente não. Você sabe, você está olhando para as mulheres da classe trabalhadora que pensam que sabem o que é pornografia, que vêem Jenna Jameson e acham que elas vão ser a próxima Jenna Jameson, quando Jenna Jameson é uma em 10 mil. E realmente, Jenna Jameson tem sido uma ferramenta importante de recrutamento, porque ela sugere que isso é o que você pode fazer se você entrar na pornografia. E o que você sabe? Você tem 18, você acha que sabe onde está se metendo, e então você entra no jogo e tudo muda e se transforma.

SK: Quais são os efeitos a longo prazo sobre a nossa sexualidade como resultado desta nova era de agressão sexual brutal que se disfarça de pornografia tanto em homens e mulheres? Tem havido estudos?

GD: Tem sido motivo de estudos por 30 anos – sobre os homens, principalmente – o que eles acham, e o que eu encontrei em minhas entrevistas, é que quanto mais os homens vêem pornografia, menos eles são capazes de desenvolver relacionamentos íntimos. Também o que é interessante é que eles perdem o interesse em mulheres reais, porque a pornografia é tão hard-core – é o sexo a força da industria – nada menos que aquilo  parece brando e enfadonho. Além disso, os homens acham que devem se comportar como os homens na pornografia, eles acham que o pênis devem ser semelhantes aos dos atores pornô, e eles acham que deveriam ser capazes de realizar atos sexuais por horas como os homens fazem na pornografia. O que eles não percebem é que um monte de homens da pornografia usam Viagra, é por isso que é tão possível … E eles começam a ver as mulheres realmente como objetos. Não como alguém a ter relacionamentos, mas como alguém para se usar para algo. O sexo se torna algo como fazer ódio ao corpo de uma mulher. Eles não fazem amor na pornografia, fazem ódio.

SK: Agora, este é um aspecto que se debateu várias vezes. O ponto de vista pró-pornografia é que aquilo que você vê em sua tela de vídeo é uma fantasia, e que nós somos seres humanos que são capazes de distinguir entre fantasia e realidade, e nós não carregamos o que está na nossa fantasia às nossas vidas reais.

GD: Bem, é muito interessante nós dizermos isso, como alguém que estuda a mídia e como alguém que é progressista, quando estudamos midia de extrema-direita não dizemos que é fantasia. Nós não dizemos, “Quer saber, não se preocupe com Glenn Beck, não se preocupe  com Rush Limbaugh – as pessoas podem distinguir”. Não, nós entendemos que a mídia molda a nossa maneira de pensar. Ela molda a realidade, que molda as nossas percepções do mundo. A pornografia é mais uma forma de mídia. É um gênero específico, que, por sinal, é muito poderoso, pois entrega as mensagens para o cérebro dos homens através do pênis, que é um sistema de entrega extremamente poderoso. Então eu acho que a idéia de que é apenas fantasia não é confirmada, dada a estudos que nós sabemos sobre como a pornografia, e como as imagens em geral, afetam a visão das pessoas de todo o mundo.

SK: E sobre o motivo de lucro aqui, e como isso mudou? Porque, naturalmente, nos primeiros dias da Playboy e Penthouse, o lucro era o motivo, e o lucro é um motivo de hoje, bem, mas como é que a indústria se tornou tão ferozmente capitalista que, de certa forma, é quase uma vítima de si mesma?

GD: Bem, sempre foi uma indústria capitalista. Quer dizer, isso é outra coisa que não queremos pensar a respeito – que a pornografia, na realidade, tem fins lucrativos. Não se trata de fantasia, não se trata de jogar, não se trata de diversão. É sobre o dinheiro.

Quando fui para a exposição anual pornô em Las Vegas, entrevistei muitos produtores de pornografia. O que foi surpreendente é o que lhes interessa é o dinheiro. Eles não falam de sexo, falam de dinheiro. Eles falam de correspondência em massa, eles falam de publicidade de massa. O que nós esquecemos quando falamos de pornografia é que estas não são fantasias criadas do nada, que caíram do céu, essas são fantasias criadas dentro de um mercado tipicamente capitalista. O que você vê na pornografia é uma necessidade para manter isso. Agora, o que aconteceu é que quanto mais os homens estão usando a pornografia, eles são cada vez mais entediados e insensíveis com ela, o que significa que eles querem o material mais e mais violento. E a pornografia, porque é o lucro, tem de satisfazer as suas necessidades. O que é interessante é que pornografia é na verdade uma bagunça porque eles não sabem mais o que fazer, os pornógrafos. Eles foram tão graves e tão cruéis quanto eles podiam. Eles fizeram de tudo com os corpos das mulheres, perto de matá-las. Então a questão é, o que eles podem fazer agora para manter um público cada vez mais insensível interessado?

SK: De uma maneira interessante, a pornografia parece ser quase uma metáfora para o capitalismo em geral, né? Basicamente, o crescimento sem controle … em algum momento há um limite, em algum momento você bate numa parede, e você não pode crescer mais, você não pode ir mais longe, porque você foi tão longe quanto possível.

GD: Essa é a questão do capitalismo na nossa sociedade. É o quanto mais podemos continuar considerando o que está acontecendo com o meio ambiente. Mas eu diria que ainda há espaço para os nichos de mercado da pornografia, e em meu livro eu falo sobre nichos de mercado específicos. Uma delas é chamada de pornô interracial, que são os homens negros e mulheres brancas. Outra é que eu chamo de pornografia pseudo-infantil, que são as mulheres que tem 18 anos – Tenho certeza, mas elas parecem mais jovens, e elas se comportam de uma maneira mais jovem. Então o que você tem são os homens que estão entediados com mulheres adultas, olhando para esses sites de pornografia pseudo-infantil. E eu entrevistei estupradores de crianças, e alguns deles realmente comecaram a olhar … Eles não queriam ir à pornografia infantil ilegal, assim, começaram com a pornografia infantil legal, por assim chamada, em seguida, basicamente, amadureceram e foram para a pornografia infantil. E, para alguns deles, o tempo entre olhar pornografia infantil e estuprar uma criança foi de seis meses.

SK: Uau. Quais são os efeitos a longo prazo sobre a nossa sociedade em geral? Efeitos não necessariamente apenas sobre os homens que consomem, mas como a pornografia “pornificou”, para usar o termo de Pamela Paul, a nossa cultura?

GD: Bem, eu acho que quando falamos de uma cultura pornô, falamos sobre as imagens, as mensagens e as ideologias de pornografia filtrando para a mídia comum. Quero dizer, você só tem que ligar a televisão, folhear uma revista, ir ao cinema, e o que você vê é uma versão pornografizada do mundo. Agora eu acho que isso é verdade para as mulheres também. Se você lê o Cosmopolitan, as seções que as mulheres lêem, muitas vezes você vai ver artigos sobre o porquê você precisa da pornografia para apimentar sua vida sexual. Então o que estamos vendo é, que os produtores de pornografia realmente assumiram o controle do discurso em torno da sexualidade.

Não há mais ninguém com a voz, que está chegando e dizendo: “Olhe. Este é um tipo particular de sexo que a pornografia está representando. É a brutalidade, é baseado na humilhação das mulheres. Existem maneiras alternativas de ser sexual em nossa sociedade que não se baseiam na degradação das mulheres “. Mas quando você vai ouvir isso na mídia? Porque a mídia está cada vez mais pornificada, e você tem os produtores de pornografia nos meios de comunicação que definem o que deve ser a nossa sexualidade.

SK: E os efeitos sobre os jovens – você mencionou que a média de idade de um menino que vê pornografia na internet hoje é de 11, o que, como  mãe de um menino, é apenas doloroso para mim. Assim como os efeitos sobre as crianças, meninos e meninas que vêem estas imagens pornificadas em outdoors e em revistas … O que estamos fazendo com nossos filhos?

GD: Estamos distorcendo sua sexualidade. Estamos forçando-os para a sexualidade precoce desta maneira, e estamos transformando a sua sexualidade em uma mercadoria para que possamos vendê-la – mercantilizar-la e vendê-la de volta para eles. Acho que uma das coisas interessantes sobre como as meninas e mulheres jovens são afetadas pela cultura pornô é que classificam estes homens como tendo sido moldados pela pornografia. O que eu encontrei em minhas entrevistas com mulheres jovens foi de que muitos destes homens queriam fazer sexo pornô em seus corpos. Eles queriam sexo anal, e queriam todos os tipos de coisas que tinham visto na pornografia.

E muitas mulheres, elas não querem fazer isso, mas elas não têm vocabulário para expressar por que elas não querem fazer isso, porque todo lugar que você vá nesta sociedade, dizem a elas “Se você não faz isso, você é uma puritana “. E qual adolescente  quer ser definida como uma puritana? Então, os meninos estão empurrando, forçando, instigando meninas a fazer sexo de pornografia.

SK: Gail, vamos conversar sobre o debate feminista, e onde ele está contra a pornografia. Trata-se de um debate de longa data, esta batalha dentro de círculos feministas sobre pornografia. Por um lado, há feministas que apontam que a pornografia é degradante para as mulheres e deve ser uma questão retomada por feministas; e depois, por outro lado, tem aqueles que dizem que as mulheres na indústria da pornografia estão no poder, e que elas são trabalhadoras sexuais que devem ser respeitadas como todas as outras trabalhadoras e não devemos ser puritanas e nem odiar homens, ou sermos “feminazistas ‘, que é um termo comum que eu tenho certeza que você já foi chamada – Eu já fui chamada disso. Você vê essa conversa mudar, dado que o panorama da pornografia comum tornou-se tão brutal? Ou ainda estamos cegos para sua brutalidade?

GD: Esta é uma grande questão, porque como a pornografia se torna mais brutal, você pensa que a conversa chegaria a brutalidade e o que acontece com as mulheres. É incrível, eu acho, as feministas que apóiam a indústria da pornografia, não olham para ela como uma indústria, eles olham para ela como uma coleção de mulheres ganhando poder na indústria. Agora, eu não estou dizendo que não há algumas mulheres que podem fazer esse trabalho para eles. No entanto, eu estou interessada são nos efeitos macro-sociais e sistemáticos de uma indústria, e não nas pessoas que nela trabalham. O que eu estudo é a indústria comum onde as mulheres não estão no poder. As mulheres vêm e vão, entram na indústria pensando que serão Jenna Jameson, saem dela com cicatrizes, elas saem emocionalmente afetadas por aquilo que aconteceu com elas. E eu acho que como feministas, precisamos começar a olhar para os efeitos sobre as mulheres, tanto na indústria e fora da indústria, porque, como eu disse, essas mulheres estão se relacionando  com os homens.

Acho também que há áreas no feminismo onde ninguém vê a realidade do status de vítima da mulher, dizem que as mulheres não são mais vítimas. Bem, se você olhar para o nível de violência contra as mulheres nesta sociedade, você olha para as mulheres que lutam para alimentar suas crianças, você olha para as mulheres que vivem na pobreza… precisamos de feminismo na política. E o que aconteceu, eu acho, é que a política foi retirada do feminismo, então agora você tem essa idéia de que nós conseguimos o que queríamos, ou pelo menos podemos estar no poder, como indivíduos. Sinto muito, mas não pode ser estar no poder como indivíduo, quando as mulheres como um grupo, são sistematicamente discriminados. E mesmo se eu não sou. Meu feminismo está dizendo: “Quer saber? Eu andei a distância para você, porque você não está bem.” Isso é o que significa irmandade. Não é olhar para as pessoas  individualmente dizendo: “Você não é discriminada, então isso é um sinal de que as mulheres estão fortalecidas.”

SK: Finalmente, onde está a boa notícia em tudo isso? Onde está o ativismo, e quais são alguns caminhos pelos quais as pessoas podem tomar medidas?

GD: Há alguns lugares onde podem ir, que temos recursos online. Meu site, gaildines.com, também stoppornculture.com, que é uma organização que fundei, tem uma lista de recursos. Você também pode baixar uma apresentação de 50 minutos com um script e imagens, que você pode mostrar em suas comunidades, em suas escolas. Tem sido mostrado em todo o país, e em diversos outros países também. E você pode participar, nós temos conferências, e nós realmente treinamos pessoas em como mostrar a apresentação como uma forma de começar a construir um movimento de ativistas popular. Eu freqüentemente recebo cartas de mulheres de todo país dizendo que isso aconteceu com elas, obrigado pela realização deste trabalho, estou agora me juntando à sua organização, porque o meu marido, meu namorado, ou seja lá quem tem usado a pornografia, e eu fui afetada por ela.

Sonali KOLHATKAR é Co-Diretora da Missão das Mulheres Afegãs, uma norte-americana sem fins lucrativos de que financia saúde, educacioção e de formação projetos de mulheres afegãs. Ela é também a apresentadora e produtora da Rádio Uprising, um programa diário de rádio na manhã KPFK, Pacifica, em Los Angeles.

Fonte: http://arttemiarktos.wordpress.com/2010/09/22/devemos-nos-preocupar-se-a-pornografia-sequestrou-nossa-sexualidade/

23 Comentários

Arquivado em Uncategorized

23 Respostas para “Devemos nos preocupar se a Pornografia sequestrou nossa sexualidade?

  1. Pingback: Tweets that mention Devemos nos preocupar se a Pornografia sequestrou nossa sexualidade? | Ofensiva contra o machismo -- Topsy.com

  2. Há um essencialismo latente nesse feminismo da 2ª onda que é bem dificil de aceitar, quase como se todo homem fosse um potencial estuprador e um forte discurso normativo e muitas vezes heterosexual. Recomendo esse artigo: “Debates Feministas Sobre Pornografia Heteronormativa:
    Estéticas e Ideologias da Sexualização” (http://www.scielo.br/pdf/prc/v23n2/v23n2a20.pdf)

    “o melhor antídoto contra a pornografia dominante não é a censura, mas antes a produção de representações alternativas da sexualidade, feitas a partir de olhares divergentes do olhar normativo”

  3. Jo

    excelente entrevista, ela deixa extremamente claro e objetivo sobre como a industria pornografia vem causando influencia na construção social das pessoas, alterando a realidade e elevando violência e preconceito contra as mulheres. A objetificação da mulher é o lado mais sombrio que podemos imaginar, diria que é deshumano como a cultura sexual industrializada molda padrões comportamentais, transformando pessoas em objetos de consumo.

    • Lembrei de um filme sueco de 2004, A hole in my heart. Quando o assisti não entendi o porque de tanta brutalidade, de tanta apelação. O que essa socióloga diz sobre a crescente brutalidade na pornografia elucidou bastante minha compreensão do filme.

      É fato que a mulher, seu corpo, é uma mercadoria que vem se mostrando cada vez mais rentável em nossa sociedade capitalista. Mas falar de sexualidade e pornografia não é apenas falar do homem assistindo a pornografia degradante para a mulher. A mulher tem sexo e a pornografia é um locus onde a sexualidade se desprende de certos tabus. Obviamente que as “anomalias” referentes a animais, crianças e violência não consentida se deixam alocar. E é o uso dessas “anomalias” pela indústria que requer atenção.

      As crianças não são assexuadas, como sabemos, e um garoto de 11 anos buscando sexo na internet não é precoce. O problema está em sua educação sexual se dar a partir de vídeos de estupros, zoofilia ou pedofilia.

  4. Caríssimas militantes,
    que grande artigo vocês nos trazem!
    Estou realmente impressionado com a atualidade a acuridade das opiniões expressas pela autora. É fato que a sexualidade está cada vez mais colonizada pelo universo da indústria pornográfica, e para a tristeza de tod@s, as mulheres tem sido, além de exploradas por esta indústria, invadidas no seu universo íntimo e em muitos casos dando vazão às expressões mais toscas desta sexualidade agressiva e dominadora.
    Parabéns por trazer a público, ainda que indiretamente, um material tão esclarecedor.
    Meus melhores votos!!

  5. Orlando Lyra Jr.

    Excelente estudo sociológico sobre um problema social, diria até um câncer, que se apresenta travestido de ‘entertainment’, mas que, de fato, explora comercialmente taras que deveriam ser tratadas no divan do psicanalista e não trasformadas em atração mercadológica.

  6. Decamourado

    Já conhecia este tipo de argumento noutras conversas. A premissa pode até ser razoavelmente plausível, mas já esboçava uma retidão implícita que me incomoda.

    Quando um acadêmico carece justificar que um maníaco potencializou sua ação atravé…s de pornografia virtual é tão rasteiro quanto acusar aqueles nerds que matam gente em escolas nos joguinhos de primeira pessoa de PC.

    As pseudo-estatísticas desse texto me lembraram o movimento anti-penetração que rolava nos anos 70. E será que esta autora não tem pena dos atores pornô que tomam viagra até morrer? Afinal, eles são apenas homens, né?

    • Camarada
      O texto apresenta um ponto de vista e portanto não quer dizer que nega os demais.
      Sinta-se a vontade em contribuir mais com o debate.
      Vivemos em uma sociedade que há anos submete os corpos das mulheres ao seu bel prazer…e sem dúvida tb explora os corpos dos homens, mas isso é irrisório se pensarmos nas mulheres
      Feminismo @contramachismo

  7. Lembrei de um filme sueco de 2004, A hole in my heart. Quando o assisti não entendi o porque de tanta brutalidade, de tanta apelação. O que essa socióloga diz sobre a crescente brutalidade na pornografia elucidou bastante minha compreensão do filme.

    É fato que a mulher, seu corpo, é uma mercadoria que vem se mostrando cada vez mais rentável em nossa sociedade capitalista. Mas falar de sexualidade e pornografia não é apenas falar do homem assistindo a pornografia degradante para a mulher. A mulher tem sexo e a pornografia é um locus onde a sexualidade se desprende de certos tabus. Obviamente que as “anomalias” referentes a animais, crianças e violência não consentida se deixam alocar. E é o uso dessas “anomalias” pela indústria que requer atenção.

    As crianças não são assexuadas, como sabemos, e um garoto de 11 anos buscando sexo na internet não é precoce. O problema está em sua educação sexual se dar a partir de vídeos de estupros, zoofilia ou pedofilia.

  8. Bruno

    Nossa, muito boa a entrevista o estudo, parabéns!!! Mas é uma verdade triste e decepcionante, saber que a essa brutalidade não fica só no pornô, mas influencia milhares de homens e acho q ate alguns mulheres, isso é muito ruim de saber… ainda mais nesse século XXI em q as crianças cada vez mais acessam a internet. Ainda mais pq o machismo, mesmo com o grande reconhecimento que as mulheres tem hje, ainda é muito forte essa pornificação de tudo só mantem vivo essa cultura do machismo.

  9. Ângelo

    O texto é interessante, apesar de bastante tendencioso. Não concordo com a demasiada vitimificação das mulheres. O que acontece é que há culpa nos dois lados. A masculina está escancarada no texto, afinal é um texto feminista, mas não me recordo de nenhum ponto onde foi apontado qualquer resquício de culpa das mulheres nisso. Ninguém apontou, por exemplo, o fato de a pornografia ser um meio alternativo, uma espécie de válvula de escape, utilizado, na maioria das vezes, por homens que não conseguem relacionamentos com mulheres que simplesmente o ignoram. Infelizmente isso é recorrente. Não quero tornar isso um debate sexista, mas penso que, de certa forma, principalmente nos dias de hoje, a principal responsável por esse fenômeno é a própria mulher por utilizar o próprio corpo como meio de auto afirmação, por se aproveitar do desejo sexual masculino, muito mais ativo que o feminino. Talvez se as mulheres mudassem de postura em algumas situações, a coisa pudesse ter sido diferente.

    • Caro Angelo
      Respeitamos tua opinião. Se existir culpa (uma construção católica) pode vir a ser de homens e mulheres. Mas é preciso lembrar que vivemos num mundo patriarcal, sexista, capilista(e/ou neoliberal) onde sim o corpo e a vida das mulheres é explorado constantemente.
      Precisamos acabar com essa construção social e isso é uma tarefa de homens e mulheres
      Saudações feministas

  10. Pingback: Trote da UNB « Aquela Deborah

  11. Pingback: Violent Pornography (Can you say “brainwashing”?) « krasis

  12. Olá! Citei a (ótima) entrevista no meu post sobre pornografia. Caso se incomodem com a publicação posso retirá-la sem problemas.
    Obrigada pelo ótimo trabalho!

    • Tudo que publicamos é passível de re-publicar em qualquer outro meio. Nos parece mais que importante que o machismo vigente em nossa sociedade seja denunciado
      Sinta-se a vontade em indicar algo para ser publicado aqui também
      Feminismo @contramachismo

  13. Pingback: F.A.Q Feminista « Aquela Deborah

  14. Luh

    Olá
    Muito interessante o texto, chocante em alguns aspectos até diria. Concordo em parte, acho que sim, a pornografia tende a crueldade e brutalidade em alguns segmentos, mas principalmente a humilhação e total desvalorização do prazer sexual feminino, a qual está presente em praticamente todos os filmes do “mainstream”, porém devemos lembrar que estes filmes e vídeos são feitos por homens e para homens, e que hoje existem, contudo alguns feitos por mulheres e para mulheres, dentre os quais inclusive, existem alguns de muito bom gosto.
    Tanto homens quanto mulheres gostam de ver e fantasiar o sexo, e é uma ilusão achar que se pode acabar ou controlar a pornografia, ela esteve presente em todas as sociedades humanas desde a nossa evolução. O que muda são as taras e fetiches em cada uma dessas sociedades. A solução é uma melhor educação sexual para nossos jovens juntamente com um maior controle de conteúdos adultos online, para que estes não aprendam o que é sexo e como é feito através de pornografia encontrada na internet. Na minha opinião, esta educação sexual deve ser feita levando em conta o prazer e a intimidade relacionados ao sexo, e não só as consequências e “tecnicidades” como é feito hoje em nossas escolas.
    Quanto as pobres mulheres vítimas da industria pornográfica, lembremos que ninguém às obriga a entrar ou ficar neste ramo, nem tampouco a se submeter a este tipo de desrespeito e humilhação presentes na mesma. Falamos muito em defender as mulheres, mas sinceramente, temos é que educa-las para saberem se defender, em qualquer segmento existem pessoas que se aproveitam das outras, e estas mulheres são pessoas com baixa auto-estima (no mínimo), ou que partilham estas taras (lembremos que disturbios sexuais não são exclusividade masculina). Honestamente, perco as esperanças com meu gênero quando vejo coisas como meninas leiloando a virgindade na internet! como vou dizer para os homens que não tratem as mulheres como objeto, se estas mesmas se colocam nessa condição?
    EDUCAÇÃO e LIBERDADE são a chave para a mudança, não a proibição…

  15. a pornografia nao passa de uma prostituiçao grafica e tem em seus produtores um bando de cafetoes trevestidos de empresarios….

  16. YRACEMA DA SILVA

    Parabèns, parabèns pelo texto incrivel! Tenho uma duvida???? E quanto a pornografia nos quadrinhos?? falo em relaçao aos mangas (quadrinhos japoneses)? A animaçoes e historias muito pesadas neste meio tambem. ( DESCULPE SE A MINHA PERGUNTA NAO E TAO INTELIGENTE).
    ABRAçS
    YRA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s