Heleieth Saffioti e o feminismo de humanização dos seres humanos

Heleieth inaugurou o feminismo contemporâneo no Brasil

Por Fátima de Oliveira, em O Tempo

Deixou-nos em 13.12.2010 um ícone do feminismo: Heleieth Saffioti (1934-2010), socióloga, autora de “A Mulher na Sociedade de Classes: Mito e Realidade” (1969), algo como a pedra inaugural do feminismo contemporâneo no Brasil. Não consegui ir ao seu enterro e lamentei que ela não realizou três desejos: acariciar o meu cavalo Taj Mahal, banhar-se na cachoeira de Lea Melo e conhecer minha neta Maria Clara.

Tiete dela, eu a conheci na fundação da União Brasileira de Mulheres (UBM), em Salvador, em 1988, onde, numa fala memorável, ela, encarniçadamente, aprontou poucas e boas! Nem lembro direito. Ela era contra a licença- maternidade, de 120 dias. Prometo recuperar a historia com Ana Maria Rocha. Em 1994, nas preparatórias da IV Conferência Mundial sobre a Mulher (Beijing, 1995), ficamos amigas.

Morávamos em Sampa. Meu filho Arthur era pequeno e ela adorava seus “olhos de jabuticabas”. E o entupia de refrigerante: “Pode pedir, Arthur, estou pagando!” Eu raramente dava refrigerante pra minhas crianças. Ela achava um absurdo! Depois que voltei para Beagá (1995), quando ia a Sampa, ela fazia um lauto e refinado jantar em seu belíssimo apartamento na praça da República. Bebíamos Miolo Seleção até alta madrugada. Conversávamos muito por telefone e por e-mail.

Ela achava o máximo de coragem eu ter três filhas e dois filhos. Um dia, indagando pela meninada, respondi: “A Maria ainda mora no Rio; a Débora, em Porto Alegre; a Lívia e o Gabriel, em Imperatriz. Comigo, só o Arthur”. Gargalhando, retrucou: “Meniiiiiiiiina, você povoou o Brasil!” Em 5 de março de 2008, recebi um poema dela:

“(…) Nossa! Como somos iguais, irmã de ideias! Não foi preciso nascermos irmãs, nos tornamos irmãs!/ Quantas diferenças cultivadas no fértil terreno da igualdade!/ Que a humanidade entenda nossa proposta e irmane-se a nós:/ juntos, construiremos a sociedade igualitária, tornando possível maior felicidade para homens e mulheres,/ minando o campo do desencontro homem-mulher e procurando propiciar o encontro amoroso entre estes seres humanos./ Há que humanizar os seres humanos. Como sou sonhadora! Nesta idade,/ pensando que ainda tenho fôlego para essa gigantesca empreitada./ Dividamos o trabalho:/ Você, que é mais jovem, responsabiliza-se por 99% da tarefa. / Eu, já passada em anos, tentarei dar conta dos 1% restante./ De acordo?” íntegra:  (“Minha querida irmã Fátima”: Heleieth Iara Bongiovani Saffioti).

Numa viagem a João Pessoa (13º Encontro Nacional Feminista, 2000), em São Paulo, ela arrumou tanta confusão no avião que conseguiu sentar ao lado da “feministinha”. Era Lívia, minha filha! E danou-se a mandar que ela pedisse vinho, vinho e mais vinho! Para quem? “Quer um travesseirinho e um cobertor da Varig?” “Ah, querer eu quero, mas a gente não pode levar!” E ela toda arteira: “Não conte pra sua mãe!” E, zap!, na frente da aeromoça, colocou numa bolsa um travesseiro e um cobertor: “Ah, já sou velha, posso levar. Ninguém vai me mandar abrir a bolsa!”.

Desfazíamos as malas no quarto do hotel quando ela bateu à porta. Os “presentes” da Lívia, em cima da cama. E, quando ela pousou os olhos neles, eu disse: “Mas Heleieth…”. “Não tenho nada a ver com isso que você está pensando. A Lívia está de prova que eu os guardei na frente da aeromoça. Como ela não disse nada, até riu, nós trouxemos, não foi Lívia? Espero que tenha dito a verdade para sua mãe!”. Era pra rir. E rimos tanto que fomos às lágrimas.

*Fátima de Oliveira é médica: – fatimaoliveira@ig.com.br

Fonte: http://mariafro.com.br/wordpress/?p=22379

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

3 Respostas para “Heleieth Saffioti e o feminismo de humanização dos seres humanos

  1. Pingback: #8demarço – Por que um Dia da Mulher? | Blogueiras Feministas

  2. RonaldoMoita

    Mesmo após passado mais de 1 ano da postagem em pauta, acho oportuno deixar uma resposta aqui no blog. Só cheguei aqui pelo fato de ter lido O PODER DO MACHO de Heleieth Saffioti. Como gostei de suas ideias, resolvi procurar pelo nome dela no Google a fim de me inteirar mais sobre a autora. Então vim parar aqui e aproveito para deixar minha opinião: Sou viceralmente contra o machismo, assim como também sou contra o feminismo, da mesma forma que também sou contra qualquer tipo de ismo, exeto o humanismo. Este, sim, deveria ser enaltecido pela mente humana, já que obtivemos, através da natureza, a graça de pensar, de usar a inteligência, embora muitos preferem não usá-la. Somente pensando com humanidade chegaremos à utopia de uma sociedade mais justa, sem conflitos. Assim poderíamos coexistir de forma pacífica e feliz, saboreando o DIREITO que temos, enquanto cidadãos, de sermos respeitados, mas saboreando também o DEVER que temos, enquanto cidadãos, de respeitar os nossos semelhantes. Sim, porque DIREITOS e DEVERES caminham juntos. Não podem ser encarados unilateralmente.

  3. Pingback: Por que um Dia da Mulher? « Semana da Mulher

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s